sábado, 13 de março de 2010

Magret de pato ao molho de frutas vermelhas com purê de batata doce e julienne de alho poró frito

Todo mundo que acompanha esse blog sabe da minha mania de misturar frutas nos pratos salgados. A gastronomia é assim, cada cozinheiro tem suas preferências, que acabam mesmo virando uma marca registrada da sua cozinha.
A minha é assim, frutas pra todo lado...não consigo fugir disso...

Ok, eu sei que o patinho devia ter ficado mais rosado, mas "minha senhora...", a vida dessa que vos escreve não é assim, digamos um mar de calmaria...ela só tem pouquinho tempo pra desenvolver sua gastronomia, e tem que fazer tudo que inventa ao mesmo tempo, ou seja, antes de sair correndo pra trabalhar...e entre uma coisa e outra, o bichinho ficou na panela mais tempo do que deveria...quem sabe da próxima ela não fica no ponto?

Servi o magret com molho de frutas vermelhas (comprei congeladas; um mix de morangos, framboesas e blueberries) purê de batata doce e julienne de alho poró frito.

Apesar muito cozido, ficou muito, muito gostoso, isso eu posso garantir,e, se você se interessou, olha a receita:

O magret:
Temperei com sal de aipo e pimenta preta moída na hora. Fiz uns cortes diagonais na parte da gordura e do outro lado.
Fritei o magret, colocando primeiro a parte da gordura para baixo. Virei e fritei do outro lado. ( além do que deveria...nem me lembre!!!!)

Molho de frutas vermelhas:

- 1000 ml de suco de uva
- 500 ml de vinho tinto
- 200 gr de framboesa
- 1 colher(es) (sopa) de amido de milho
- quanto baste de sal

Bata as frutas vermelhas com o suco de uva no liqüidificador. Junte todos os ingredientes numa panela e leve ao fogo e deixe reduzir até a metade. Peneire e ajuste o sal.

O purê de batata doce:
Faça como um purê de batatas normal. Pra 500g de batata doce já cozida e passada pelo espremedor, coloque 01 colher de manteiga, sal e noz moscada a gosto e leite até dar o "ponto". Misture no fogo até adquirir consistência.

O alho poró frito:
Corte a parte branca do alho poró em julienne, lave bem e frite em óleo ou azeite quente. Escorra em papel toalha e sirva.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Camarões ao molho de coco verde e arroz com manga

Ingredientes:

-500 gr de camarão rosa
-1 unidade(s) de coco
-1 unidade(s) de manga
-1 colher(es) (sopa) de manteiga 
-1/2 unidade(s) de cebola picada(s)
-1/2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
-2 xícara(s) (chá) de Arroz cozido
-quanto baste de sal
-quanto baste de salsinha
-2 colher(es) (sopa) de leite de coco
-quanto baste de molho de pimenta vermelha

Retire a água do coco e corte-o ao meio no sentido do comprimento. Descasque a manga e corte em cubos, descartando o caroço. Derreta a manteiga em uma frigideira e ponha a cebola para refogar. Tempere os camarões com sal e passe todos na farinha de trigo e leve-os à frigideira para refogar rapidamente. Passe a colher na polpa do coco e coloque o que você conseguir retirar na frigideira. Acrescente a água de coco, abaixe o fogo e deixe o camarão cozinhar. O molho vai engrossar por causa da farinha. Acrescente a salsinha picadinha.
Tempere com gotas de pimenta vermelha. Acrescente o leite de coco e misture.
Em outra frigideira, coloque um pouco de manteiga, corte a manga em cubinhos. Leve a manga à frigideira e misture o arroz branco cozido.
Sirva o refogado de camarão com o arroz de manga

quinta-feira, 11 de março de 2010

La Dame de Fer

Se você não subiu na Torre Eiffel, você não foi à Paris...

O marco mais famoso de Paris foi construído por Gustave Eiffel para a Exposição Mundial de 1889, centenário da Revolução Francesa.

A Torre Eiffel de Paris é hoje o monumento mais visitado do mundo, recebe anualmente a visita de mais de seis milhões de turistas, que fazem longas filas durante todo o ano para subir aos seus três pisos, na França ela é carinhosamente chamada de "A Dama de Ferro ".

A Torre Eiffel, duas vezes mais alta que a Grande Pirâmide do Egito ou a cúpula da Basílica de São Pedro, foi construída em apenas alguns meses e seu custo foi relativamente baixo.

A "Dama de Ferro", como a chamam os parisienses, recebe anualmente a visita de mais de seis milhões de turistas, que fazem longas filas durante todo o ano para subir aos seus três pisos, que abrigam o elegante restaurante Jules Verne, um cinema que relata a história de sua construção e um pequeno museu de cera, onde figura seu criador, o engenheiro francês Gustave Eiffel, instalado em seu escritório estudando seus planos.

Se você estiver cheio da energia, suba pelas escadas até a terceira plataforma. O mais sensato é pegar o elevador , e tirar mil fotos...

A história da Torre Eiffel, monumento que é propriedade da prefeitura de Paris, está cheia de casos e histórias diversos, que vão desde suicídios, testes dos primeiros pára-quedas, filmagem de uma fita de James Bond, até uma séria tentativa para vendê-la por um ousado farsante.
Em 1925, o elegante e mundano vigarista austro-húngaro Victor Lustig, que se fazia chamar "o Conde", conseguiu dar o "golpe de sua vida", vendendo a Torre a um ingênuo negociante de sucata.

Aproveitando que a prefeitura da capital estava com graves dificuldades financeiras, que impediam inclusive reparar o oxidado monumento, Lustig se instalou na suíte mais elegante do Hotel de Crillon, em frente à Praça de la Concorde, com uma estupenda vista para sua futura vítima.
Graças a um falsificador conseguiu várias folhas em branco, envelopes e selos com o timbre da prefeitura e convocou por escrito os cinco mais importantes comerciantes de sucata do país, para lhes propor um grande negócio que exigia o máximo de discrição.

Os cinco interessados foram ao encontro, e Lustig, em meio a canapés e taças de champanhe, lhes revelou que havia sido designado pelas autoridades municipais para vender a Torre Eiffel à melhor proposta.
Enquanto explicava as dificuldades financeiras que obrigavam a prefeitura a se desfazer do monumento, observava seus cinco interlocutores para detectar o mais ambicioso e ingênuo ao mesmo tempo.
Quarenta e oito horas depois recebia cinco envelopes fechados com propostas de compra.

Só se interessou por aquele que achava que cairia mais facilmente em suas mãos. Convocou-o no dia seguinte para lhe comunicar que sua proposta era a que tinha sido aceita.

"Mas você sabe que nestes casos costuma-se fazer chegar discretamente ao senhor prefeito uma quantia "correta", em dinheiro vivo, para lhe agradecer seu apoio", disse-lhe Lustig, o que o futuro novo "dono" da Torre aceitou imediatamente.
Um dia depois, o feliz comprador chegou a vê-lo com uma pasta cheia de cédulas e acertou voltar à tarde para assinar a transferência oficial.

Qual não foi sua surpresa, ao constatar que "o Conde" tinha feito suas malas, pago a conta e deixado o hotel com destino desconhecido.
De ascendência germânica, Gustavo Eiffel nasceu a 15 de Dezembro de 1832 em Dijon e em 1850 ingressou em Paris na Ecole Centrale des Arts et Manufactures onde completou o curso de Engenharia Química.mas desde cedo, por influência de um cunhado se dedicou à metalurgia e ao novo material que vai usar de modo brilhante como construtor.

A torre, sem suas antenas de radiodifusão modernas, é 300 m (984 ft) alto.

Uma estação meteorológica, umas comunicações de rádio estacionam, e uma antena de transmissão de televisão, como também um apartamento de quartos que era usado por Eiffel, fica situado perto do topo da torre.A 300 metros (320.75m inclusive antena), e 7000 toneladas, era o edifício mais alto do mundo até as 1930.
Outras estatísticas incluem:

• 2.5 milhões de rebites
• 300 trabalhadores de aço, e 2 anos (1887-1889) construir isto.
• Balanço de no máximo 12 cm em ventos altos.
• Altura varia até 15 cm dependendo de temperatura.
• 15,000 pedaços de ferro (excluindo rebites).
• 40 toneladas de pintura.
• 1652 passos para o topo.

A estrutura da torre foi utilizada em 1910 à 1957 para a rádio e televisão francesa.Durante sua vida, a Torre de Eiffel testemunhou também alguns cenas estranhas, inclusive ser escalado por um montanhês em 1954, e em 1984 por dois ingleses. Em 1923 um jornalista foi com uma bicicleta abaixo do primeiro nível.

A famosa Torre Eiffel de Paris, o monumento mais visitado do mundo, cresceu mais de cinco metros em Novembro de 2000, graças a uma nova antena de rádio e televisão instalada em sua cúpula, aumentando-a de 319 a 324 metros de altura.

Estórias a parte, a torre continua sendo o símbolo máximo de Paris.

Vale a pena dar uma passada por lá!

Visite o Site oficial (em francês: http://www.tour-eiffel.fr/ ) com todas as informações e você ainda pode dar uma “visitada virtual” de 360 graus
 Reportagem: Yoko Nakamura para revistaturismo.com.br
As fotos são de Renata Boechat, autora desse blog

quarta-feira, 10 de março de 2010

Risoto de Maracujá e Mel

Vou tentar explicar essa receita, porque risoto eu faço sempre mas é no olhômetro...

Anota aí os ingredientes que você vai usar:

- 01 xic de arroz italiano para risoto
- meia cebola picada
- ½ xic de vinho branco seco, ou outra bebida da sua preferência, como vodka, ou cachaça, por exemplo
- 250 ml, aproximadamente, de caldo de legumes já preparado e fervente
- 1/2litro, aproximadamente, de suco de maracujá natural
- sal e pimenta do reino
- 01 generosa colher de mel
- 01 colher de manteiga para finalizar

Coloco azeite e manteiga pra esquentar, na proporção de uma colher de um pra uma colher do outro.

Refogo então meia cebola bem picada, somente até murchar, tomando cuidado pra não queimar e ficar escura.

Depois vem o arroz, uso uma xícara (chá) de arroz italiano carnarolli para cada duas a três porções de risotto. Refoga-se o arroz, e logo em seguida, acrescentamos o vinho branco – na proporção de ½ xic de vinho para cada xic de arroz. Atenção: Você pode usar vodka, cachaça, ou outra bebida alcoólica a seu gosto!

Depois que o vinho evaporou, verta o caldo (nesse caso, usei caldo de legumes) que já estará fervendo, e comece a misturar seu risotto. - Essa é uma tarefa da qual você não estará livre, até que tenha finalizado seu prato! – continue mexendo até que esteja quase seco.

Estando quase seco, nessa segunda etapa, eu já comecei a usar o suco de maracujá – vá colocando aos poucos, o suco fervente, e mexendo sempre...até que seu arroz já esteja cozido, mas não deixe secar totalmente, o risotto é servido sempre “molhadinho”.

Sirva agora, finalizando com uma colher de manteiga e um generoso fio de mel.

E lembre-se sempre, caso tenha ficado confuso, entre em contato, terei prazer em responder suas dúvidas!

segunda-feira, 8 de março de 2010

The best banana´s muffin I´ve ever tasted - Ou, muffins de banana com farofinha

Tenho uma certa mania de muffins...adoro comer muffins no meu café da manhã...seja em casa, ou em qualquer lugar onde eu esteja...ou que tenha um Starbuck´s Coffee por perto...
Gosto de qualquer muffin, e não posso ver uma receita diferente, que já quero logo testar...
E foi assim, que hoje pude ter no meu café da manhã, esses muffins que foram e serão, eu tenho certeza, a minha perdição! Oh God!
Se você ficou curioso(a),olha aí...e se for louco por muffins como eu, faz também!
Ingredientes:
- 1 1/2 xic de farinha de trigo
- 1 colher (chá) de fermento em pó
- 1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
- 1/2 colher (chá) de sal
- 3 bananas grandes, amassadas
- 3/4 xic de açucar refinado
- 1 ovo
- 1/3 xic de manteiga derretida

Para a "farofinha"
- 1/3 xic de açucar mascavo
- 2 colheres (sopa) de farinha de trigo
- 1/8 de colher (chá) de canela moída
- 1 colher (sopa) de manteiga

Faça assim:
- Pré aqueça o forno a 175ºC. Separe suas forminhas de muffins de papel, ou unte as forminhas de metal.
- Peneire juntos os secos: farinha, sal, fermento e bicarbonato.Reserve
- Misture as bananas, açucar, o ovo batido, e a manteiga derretida em uma outra vasilha.
- Depois de verta essa mistura na farinha peneirada.
- Coloque a massa nas forminhas preparadas, cubra cada muffin com o crumb e asse até que fiquem dourados.

Fazendo o "crumb topping":
 - Num bowl pequeno, misture o açucar mascavo, a farinha e a canela.Misture a manteiga com duas facas, como se estivesse fazendo uma farofa mesmo. Lembre-se que você quer sentir os "pedacinhos"...e empregue nos seus bolinhos!

Dia 08 de Março - Dia Internacional da Mulher


Recebam meu abraço de parabéns!

Mulheres Possíveis - Martha Medeiros

“Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes.

Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.

Uma imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe e mulher que também sou:

Trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado três vezes por semana, decido o cardápio das refeições, levo os filhos no colégio e busco, almoço com eles, estudo com eles, telefono para minha mãe todas as noites, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e-mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos, participo de eventos e reuniões ligados à minha profissão e ainda faço escova toda semana - e as unhas!

E, entre uma coisa e outra, leio livros
Portanto, sou ocupada, mas não uma workaholic.
Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres:

Primeiro: a dizer NÃO

Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO.

Culpa por nada, aliás existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero. Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.

Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.

Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.Você não é Nossa Senhora.Você é, humildemente, uma mulher.E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante.
Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo.

Tempo para fazer nada.Tempo para fazer tudo.Tempo para dançar sozinha na sala.Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.Tempo para sumir dois dias com seu amor.Três dias.Cinco dias!Tempo para uma massagem.Tempo para ver a novela.Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.Tempo para fazer um trabalho voluntário.Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.Tempo para conhecer outras pessoas.Voltar a estudar.Para engravidar.Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.

Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.

Existir, a que será que se destina?

Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.

A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada.Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.Precisa respeitar o mosaico de si mesma, privilegiar cada pedacinho de si. Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.

Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir.Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.Desacelerar tem um custo.

Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.

Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante."