sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Chapeuzinho Vermelho...de Raiva....Blogagem Coletiva - Sentimentos

Atualmente tenho preferido levar as coisas mais "numa boa"...menos seriedade, mais leveza, mais alegria, consequentemente menos tensão, menos sentimentos negativos, menos stress (será?), menos "raiva"...

Preferi então ilustrar este post, que faz parte da Blogagem Coletiva proposta pela Glorinha do Café com Bolo, com essa crônica bem humorada do Mário Prata, já que estou preferindo rir, em qualquer situação...é sempre a melhor saída. Ficar com raiva? Pra que? Uma pena que nem todo mundo pensa assim...é ou não é?

Uma visão contemporânea da velha historinha da Chapeuzinho Vermelho...Um exemplo real do relacionamento familiar nos dias de hoje...O diálogo cada vez mais difícil de ser mantido, a raiva que aflora sem mais nem menos...

- Senta aqui mais perto, Chapeuzinho. Fica aqui mais pertinho da vovó, fica.
- Mas vovó, que olho vermelho... E grandão... Queque houve?
- Ah, minha netinha, estes olhos estão assim de tanto olhar para você. Aliás, está queimada, heim?
- Guarujá, vovó. Passei o fim de semana lá. A senhora não me leva a mal, não, mas a senhora está com um nariz tão grande, mas tão grande! Tá tão esquisito, vovó.
- Ora, Chapéu, é a poluição. Desde que começou a industrialização do bosque que é um Deus nos acuda. Fico o dia todo respirando este ar horrível. Chegue mais perto, minha netinha, chegue.
- Mas em compensação, antes eu levava mais de duas horas para vir de casa até aui e agora , com a estrada asfaltada, em menos de quinze minutos chego aqui com a minha moto
- Pois é, minha filha. E o que tem aí nesta cesta enorme?
- Puxa, já ia me esquecendo: a mamãe mandou umas coisas para a senhora. Olha aí: margarina, Helmmans, Danone de frutas e até uns pacotinhos de Knorr, mas é para a  senhora comer um só por dia, viu? Lembra da indigestão do carnaval?
- Se lembro, se lembro...
- Vovó, sem querer ser chata.
- Ora, diga.
- As orelhas. A orelha da senhora está tão grande. E ainda por cima, peluda. Credo, vovó!
- Ah, mas a culpada é você. São estes discos malucos que você me deu. Onde á se viu fazer música deste tipo? Um horror! Você me desculpe porque foi você que me deu, mas estas guitarras, é guitarra que diz, não é? Pois é; estas guitarras são  muito barulhentas. Não há ouvido que agüente, minha filha. Música é a do meu tempo. Aquilo sim, eu e seu finado avô, dançando valsas... Ah, esta juventude está perdida mesmo.
- Por falar em juventude o cabelo da senhora está um barato, hein? Todo desfiado, pra cima, encaracolado. Que qué isso?
- Também tenho que entrar na moda, não é, minha filha? Ou você queria qu eu fosse domingo ao programa do Chacrinha de coque e com vestido preto com bolinhas brancas?
Chapeuzinho pula para trás:
- E esta boca imensa???!!!
A avó pula da cama e coloca as mãos na cintura, brava:
- Escuta aqui, queridinha: você veio aqui hoje para me criticar é?!

Mario Prata

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Friand de Blueberries, da Tati do Comida de Quinta

Adoro friands, ou financiers como preferem os franceses...e logo que vi essa receita no Comida de Quinta, da Tati resolvi experimentar! Nem preciso dizer que amei!!! Por pouco não como tudo...eles são super saborosos...digo que vou repetir logo...ah, quem me dera se aqui pudesse achar framboesas frescas...seria a minha glória!Mas, pensando bem...quem sabe com morangos também não vai ficar bom?

A receita do jeitinho que a Tati colocou lá...e que eu segui:

-125g manteiga
-1 xícara amêndoas moídas
-1 2/3 xícara açúcar de confeiteiro, peneirado
-¾ xícara farinha de trigo, peneirada
-½ colher (chá) fermento em pó
-5 claras
-1/3 xícara blueberries

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Derreta a manteiga e reserve. Numa tigela coloque a amêndoa moída, açúcar de confeiteiro, farinha e fermento. Mexa tudo para combinar. Adicione as claras e misture bem. Adicione a manteiga e misture novamente. Unte 10 forminhas de muffin e coloque 2 colheres de sopa da massa em cada uma das forminhas. Coloque algumas frutinhas sobre cada uma. Leve ao forno e asse por 15-20 min, ou até dourar e permanecer úmido no centro. Deixe esfriar antes de desenformar.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Vitel Toné

Na receita original, feito com carne de vitelo, mas no Brasil, a gente termina fazendo com carne de boi mesmo...Uma versão simplificada de  uma receita clássica da cozinha francesa. Fatias de carne finíssimas, envoltas num creme de atum e aliche, com alcaparras.

Verdadeira delícia! Fez o maior sucesso aqui em casa, numa reunião de amigos.

Espero que vocês também gostem!

01 lagarto de 1kg e 1/2
01 lata de atum sólido
100g de anchovas ou aliche
01 xic (200ml) de vinagre
01 xic do caldo da cocção da carne
250g de maionese
alcaparras e cheiro verde

Fatiar o lagarto ja cozido bem fininho, reservar

Bater no liquidificador a maionese, o caldo da carne, vinagre, atum, e os filetes de aliche.
Cobrir a carne que já está fatiada com este molho, enfeitar com cheiro verde e alcaparras. Deixar na geladeira até servir.

domingo, 22 de agosto de 2010

Festival de Cultura e Gastronomia de Tirandentes - Mulheres em Destaque

Começou neste sábado o XIII Festival de Gastronomia de Tiradentes, acompanhe...

Sucesso de público, sabores e atrações, há 13 anos o Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes é um dos maiores eventos do setor no País. Temperado pelo clima de uma das mais belas cidades históricas de Minas Gerais, faz parte do Circuito Brasileiro de Cultura e Gastronomia.
Em 2010, a direção do festival inova  mais uma vez, com um proposta inédita: as mulheres como protagonistas. A cidade será o cenário de vários espetáculos culturais e deliciosas atrações, como os Festins, o Fórum Gastronômico, a Cidade da Chef, o Tour Gastronômico, Cursos, Palestras, Show de Teatro e Dança, e os stands empresariais.

Será uma edição para ficar na história. O 13ª Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes começou na sexta-feira, dia 20 de agosto, na cidade histórica mineira, focado exclusivamente nas mulheres: só elas protagonizam os festins e cursos de gastronomia, principais eventos da programação, que se estenderá até dia 29 deste mês. Além disso, os visitantes poderão conferir shows, exposições, recitais de poesia, apresentações teatrais, palestras, sessões de cinema e lançamentos de livros.

Ponto alto do Circuito, os Festins são os jantares especiais, preparados nos mais belos lugares da cidade pelos principais chefs do Brasil e do mundo.

Leia o que diz o coordenador do evento:

"Os melhores restaurantes do mundo são em locais afastados das grandes cidades, paradisíacos, charmosos, que têm história. Tiradentes é o único festival que se assemelha a essas condições" - Rodrigo Ferraz, coordenador do evento

Os primeiros cozinheiros foram funcionários de reis. A falta de equipamentos exigia força bruta na cozinha. Também era o homem quem caçava e abria o animal. Outra coisa que demandava muita força. A presença do homem na cozinha é questão cultural e inconsciente.” É assim que Rodrigo Ferraz, proprietário e organizador do Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes, explica a presença maçante dos homens no comando das grandes cozinhas.
O cenário está mudando e, agora, cozinha de alta gastronomia deixou de ser lugar de força. “Nos últimos anos, notamos que as mulheres têm entrado muito mais no mercado gastronômico,” conta Rodrigo, que lembra um detalhe importante. “Temos uma referência muito grande das mulheres da nossa vida gastronômica. Seja por meio das mães, avós ou empregadas domesticas.”

Por essa razão, as mulheres são o tema da 13ª edição do evento. As convidadas são oito chefs de várias partes do mundo, quatro delas estreladas pelo Guia Michelin. Rougui Dia, francesa de origem senegalesa, está à frente do Petrossian, restaurante que tem a melhor cozinha de caviar do planeta. Outro grande nome é Bel Coelho, que fez os primeiros estágios no restaurante Fasano e com o maitre Laurent Suaudeau. Helena Rizzo, Margot Janse, Ângela Hartnett, Reine Sammut, Adeline Grattard e Pepa Romans completam o festival.
Todos os anos, o tema é escolhido com base em três conceitos: tendência, originalidade e simplicidade. Rodrigo explica cada uma delas. “Poderia ter como nome ‘a cozinha molecular de não sei onde’, mas se digo apenas ‘mulher’ todos já entendem do que se trata, aí é que mora a simplicidade.” E a tendência é essa mesmo: as mulheres no mercado.

A originalidade reside no fato de nunca ter havido no Brasil um evento de gastronomia que trouxesse apenas mulheres no comando. “Seria muita ousadia dizer que isso nunca ocorreu no resto do mundo, mas não ouvimos falar,” ele diz.

Para mais informações, visite a página do evento: http://www.culturaegastronomia.com.br/2010/