sábado, 6 de novembro de 2010

Série Cidades de Sonho - Rothenburg ob der Tauber

Hoje vamos viajar à Alemanha...vou levá-los à uma pequena cidade medieval, que é uma das mais lindas pequenas cidades que eu já tive o prazer de conhecer...venham comigo!
 Cercada por muralhas, Rothenburg ob der Tauber é uma cidade medieval. Um lugarejo de pouco mais de dez mil habitantes que parece ter parado no tempo, há uns trezentos ou quatrocentos anos. A encantadora cidade fica no cruzamento da Rota Romântica (no sul da Alemanha) com a Rota dos Castelos (de Mannheim, na Alemanha, a Praga , na República Tcheca).
A parte mais antiga de Rothenburg é o distrito de Detwang. Fundada em 960 foi a primeira comunidade do vale do Tauber. Com a construção do castelo imperial pelo rei Conrado III, em 1142, a vila passou a crescer nas redondezas dele. Vinte cinco anos depois, após a morte de Friedrich (duque de Rothenburg) o castelo foi abandonado, mas a cidade se desenvolveu através dos anos como centro comercial. Anos mais tarde, o rei Rudolf dos Habsburg elevou Rothenburg a uma cidade de império livre. Em 1356, um terremoto destruiu inteiramente o castelo imperial e parte da cidade. Em 1400, com cerca de seis mil habitantes, Rothenburg era uma das maiores cidades do império. Em 1945, a cidade foi atacada pelas forças aliadas, a parte leste foi destruída e 40% dos antigos prédios incendiados. Mais tarde tudo foi reconstruído com financiamento mundial. Hoje a cidade é protegida por leis de preservação.
Comece a visita pelas fortificações na parte sul que são as mais imponentes da muralha. O lugar é interessante e ainda podem ser encontrados canhões utilizados para proteger a cidade. Seguindo em direção a Marktplatz (Praça do Mercado), o visitante passa por dezenas de casas antigas, algumas com madeirame à vista, chamadas de “fachwerhhaus”. As vitrines são cheias de brinquedos e artigos típicos (como canecos de chopp).
A cidade é repleta de pequenos hotéis e pousadas, além de simpáticas padarias, onde se pode provar uma delícia típica da região: o schneeballen. O doce é feito de um emaranhado de massa frita, tem o formato de uma bola e é coberto por açúcar, canela ou chocolate. Não deixe de provar!
Devido à situação geográfica acima do rio, o abastecimento de água era um problema antigamente em Rothenburg. Por isso, em toda cidade existem diversas fontes de água. Além de fornecer água potável para a população, as fontes eram um reservatório para apagar os incêndios. A fonte de São Jorge (também chamada de Herterichsbrunnen), de 1608, é a maior delas e se localiza na praça do mercado. Ela tem uma profundidade de oito metros e uma capacidade de cem mil litros.
A Rathaus (prefeitura) é a mais importante construção da Marktplatz e mistura os estilos gótico e renascentista.
Como a cidade é pequena, todo o passeio pode ser feito a pé ou de bicicleta. É melhor não entrar de carro na cidade medieval porque as ruas são estreitas e as vagas de estacionamento quase não existem.No posto de informações turísticas, que fica na praça do mercado, são distribuídos mapas da cidade em vários idiomas, bem como informações das principais construções. Mesmo que o posto esteja fechado, os mapas ficam numa estante do lado de fora do escritório, não é preciso pagar para obtê-los. 
Durante o ano inteiro, a cidade oferece atividades culturais. Mas o ponto alto é setembro quando a população de Rothenburg vai pra rua vestindo roupas da época medieval e mostram sete séculos de história.

Espero que tenham gostado da pequena Rothenburg, e aguardo a sua participação na Série Cidades de Sonho - mande pra nós a sua cidade, que é um sonho!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Pãezinhos de Cerais e Sementes

Pães como eu prefiro: rústicos, feitos com farinha integral, são perfeitos para sanduíches, ou para comer puro, quentinhos com manteiga.
A receita vem do Blog da Silvia, de Barcelona onde além dessa, você encontra outras ótimas receitas de pão!

Ingredientes:
-325 gramas de farinha de trigo
-50 g de farinha de centeio
-75 g farinha de trigo integral
-50 g de farinha torrada (no Brasil não temos, use a farinha de trigo comum)
-10 g de sal
-5 g de extrato de malte (não achei, portanto não usei)
-350 ml de água
-10 g de fermento fresco
-125 gramas de sementes. (Linhaça, gergelim, sementes de papoula, painço, aveia, sementes de girassol, sementes de abóbora) ... e um pouco mais para cobrir os pães.

Preparação:
Coloque os ingredientes na ordem na sua Máquina de Fazer Pão.
Eu sei que você deve ter uma, afinal, sou a única pessoa na face da terra que ainda não tem uma...
Uma vez terminado, eu estique a massa sobre a mesa de trabalho, espalhe as sementes sobre a massa, e vá amassando a massa e dobrando a massa sobre si mesma, fazendo movimentos repetidos para retirar todo o ar.
Cubra com um pano úmido e deixe descansar por 30 minutos.
Após esse tempo, modele os pães com cerca de 50 gramas cada, da maneira que você desejar.
Vá colocando no prato onde eles estão indo para assar, borrife com água e cubra com as sementes.
Com um cortador ou uma navalha faça alguns cortes na superfície dos pães. Deixe descansar até que dobrem de volume.
Pré-aqueça o forno a 250 ° com uma fonte de água dentro, uma latinha ou uma assadeira com água na parte de baixo do forno cumpre bem este papel. Coloque os pães e asse até que estejam dourados.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O Sotaque das Mineiras

Pra você poder entender o...

O SOTAQUE DAS MINEIRAS
(F.P.B. Netto) 

O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar...
Afinal, se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar, sensual e lindo das moças de Minas ficou de fora?
Porque, Deus, que sotaque!
Mineira devia nascer com tarja preta avisando: 'ouvi-la faz mal à saúde'.
Se uma mineira, falando mansinho,me pedir para assinar um contrato, doando tudo que tenho, sou capaz de perguntar: 'só isso?'. 
Assino, achando que ela me faz um favor...
Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma!
Certa vez quase propus casamento à uma menina que me ligou por engano, só pelo sotaque.
Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas.
Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho.
Não dizem: pode parar, dizem: 'pó parar'
Não dizem: onde eu estou?, dizem: 'onde queu tô.'
Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e
levianamente, que os mineiros vivem - lingüisticamente falando - apenas de uais, trens e sôs.
Digo-lhes que não. Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual atividade.
Fala que ele é bom de serviço.
Pouco importa que seja um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô.
Se der no couro - metaforicamente falando, claro - ele é bom de serviço.
Faz sentido...
Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem.
Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra:'cê tá boa?'.
Para mim, isso é pleonasmo.
Perguntar para uma mineira se ela tá boa é desnecessário...
Há outras.
Vamos supor que você esteja tendo um caso com uma mulher casada.
Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer:
- Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).
O verbo 'mexer', para os mineiros, tem os mais amplos significados.
Quer dizer, por exemplo, trabalhar.
Se lhe perguntarem com o que você mexe, não fique ofendido.
Só querem saber o seu ofício.
Os mineiros também não gostam do verbo conseguir.
Aqui ninguém consegue nada.
Você não dá conta.
Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz: '-Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô.'
Esse 'aqui' é outra delícia que só tem aqui.
É antecedente obrigatório, sob pena de punição pública, de qualquer frase.
É mais usada, no entanto, quando você quer falar e não estão lhe dando
muita atenção: é uma forma de dizer 'olá, me escutem, por favor'.
É a última instância antes de jogar um pão de queijo na cabeça do interlocutor.
Mineiras não dizem 'apaixonado por'. Dizem, sabe-se lá por que, 'apaixonado com'.
Soa engraçado aos ouvidos forasteiros.
Ouve-se a toda hora: 'Ah, eu apaixonei com ele...'
Ou: 'sou doida com ele' (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro).
Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira. Nada pessoal. 
Aqui certas regras não entram. São barradas pelas montanhas.
Por exemplo: em Minas, se você quiser falar que precisa ir a um lugar, vai dizer: - 'Eu preciso de ir..'
Onde os mineiros arrumaram esse 'de', aí no meio, é uma boa pergunta...
Só não me perguntem!
Mas que ele existe, existe.
Asseguro que sim, com escritura lavrada em cartório.
No supermercado, o mineiro não faz muitas compras, ele compra um tanto de coisa...
O supermercado não estará lotado, ele terá um tanto de gente.
Se a fila do caixa não anda, é porque está agarrando lá na frente.
Entendeu? Agarrar é agarrar, ora!
Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena, suspirará: '- Ai, gente, que dó.'
É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras...
Não vem caçar confusão pro meu lado! 
Porque, devo dizer, mineiro não arruma briga, mineiro 'caça confusão'.
Se você quiser dizer que tal sujeito é arruaceiro, é melhor falar, para se fazer entendido, que ele 'vive caçando confusão'.
Ah, e tem o 'Capaz...'
Se você propõe algo a uma mineira, ela diz: 'capaz'!!!
Vocês já ouviram esse 'capaz'?
É lindo. Quer dizer o quê?
Sei lá, quer dizer 'ce acha que eu faço isso'!? - com algumas toneladas de ironia...
Se você ameaçar casar com a Gisele Bundchen, ela dirá: 'ô dó dôcê'.
Entendeu? Não? Deixa para lá.
É parecido com o 'nem...' . Já ouviu o 'nem...'?
Completo ele fica: '- Ah, nem...'   
O que significa?
Significa, amigo leitor, que a mineira que o pronunciou não fará o que você propôs de jeito nenhum.
Mas de jeito nenhum mesmo.
Você diz: 'Meu amor, cê anima de comer um tropeiro no Mineirão?'.
Resposta: 'nem...'
Ainda não entendeu? Uai, nem é nem.
Leitor, você é meio burrinho ou é impressão?
Preciso confessar algo: minha inclinação é para perdoar, com louvor, os
deslizes vocabulares das mineiras.
Aliás, deslizes nada. Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão.
Se você, em conversa, falar: 'Ah, fui lá comprar umas coisas...'..
- Que's coisa? - ela retrucará.
O plural dá um pulo. Sai das coisas e vai para o 'que'!
Ouvi de uma menina culta um 'pelas metade', no lugar de 'pela metade'.
E se você acusar injustamente uma mineira, ela, chorosa, confidenciará:
- Ele pôs a culpa 'ni mim'.
A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios, em Minas...
Ontem, uma senhora docemente me consolou: 'preocupa não, bobo!'
E meus ouvidos, já acostumados às ingênuas conjugações mineiras nem se espantam.
Talvez se espantassem se ouvissem um: 'não se preocupe', ou algo assim.
Fórmula mineira é sintética e diz tudo.
Até o tchau, em Minas, é personalizado.
Ninguém diz tchau, pura e simplesmente. Aqui se diz: 'tchau pro cê', 'tchau pro cês'.
É útil deixar claro o destinatário do tchau...

terça-feira, 2 de novembro de 2010

As Macadâmias 2ª Parte - Pesto

Com as minhas macadâmias que restaram eu fiz esse maravilhoso pesto...

É bem fácil e fica super suave, olha só:

É só bater todos os ingredientes no liquidificador, e servir sobre massa fresca, pizzas, ou pães! 

-1 xícara de chá de azeite

-½ xícara de chá de queijo parmesão ralado

-½ xícara de chá de macadâmia picada

-1 xícara de chá de manjericão verde fresco

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

As Macadâmias - Uma Novela

Comprei as benditas macadâmias no mercado, achando que estava fazendo o maior negócio da minha vida...até chegar em casa, e descobrir que as nozes de macadâmia simplesmente são impossíveis de serem quebradas...fui pra net, pra ver se achava alguma dica ou solução, e só fiquei mais triste e desolada ao descobrir que todo mundo que caiu no conto da macadâmia estava na mesma situação que eu...
O negócio é que pra tirar as nozes da casca é preciso uma máquina especial...que obviamente nem eu nem ninguém tem...ou...ou...tcham,tcham...tcham...tcham...um martelo e braços fortes!!!
Achei uma alma bondosa que quebrou todas as minhas macadâmias, e me entregou gentilmente todas separadas dentro de um saquinho plástico!!! Que glória!Essa criatura merece o céu!

Bom, então...feliz da vida com elas todas, fiz esses cookies, que apesar de bem feinhos, ficaram deliciosos...
Ingredientes:

8 colheres de sopa de manteiga sem sal amolecida 
1 / 2 xícara de açúcar mascavo
1 / 2 xícara de açúcar
1 ovo grande
1 colher de chá de baunilha
2 colheres de sopa de leite integral
1 1 / 3 xícaras de farinha de trigo
2 1 / 2 colheres de sopa de amido de milho
1 / 2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 / 4 colher de chá de sal
1 / 2 xícara macadâmias picadas
1 xícara de butterscotch chips (ou gotinhas de chocolate amargo)

Em primeiro lugar, faça a manteiga marrom. Coloque a manteiga em uma panela e aqueça em fogo médio até a manteiga derreter, ficar dourada  nas bordas, criar uma espuma e exalar um aroma de manteiga frita.  Isso deve levar cerca de 3-5 minutos. Retire do fogo e despeje a manteiga na tigela. Coloque a tigela na geladeira por duas horas ou até que a manteiga fique ligeiramente firme Se você deixá-la mais tempo, você vai precisar para amaciá-la novamente.

Pré-aqueça o forno a 375 º C. Junte os açúcares na tigela com manteiga, e usando uma batedeira, bata a manteiga e os açúcares. Bata na baunilha, ovos e leite. Misture a farinha, o amido de milho, o bicarbonato e o sal. Agregar a mistura de farinha na mistura da manteiga até incorporar. Acrescentar as macadâmias e os chips.
Formar os cokies com auxílio de duas colheres e levar à assar no forno médio pré aquecido.

Rendem aproximadamente 20 biscoitinhos.

domingo, 31 de outubro de 2010

Caipirinha de Limão e Hortelã

Não, isso não é um comercial de vodka não...é só um drink pra você fazer no feriado e aproveitar esse dia de descanso e lazer...
Uma caipiroska de limão e hortelã, pra aproveitar essa vodka sabor citrus que eu comprei, viu gente?
Bebidinha fácil, pra tomar como aperitivo na beira na piscina, ou antes do almoço. Você gosta? Eu adoro!
Olha só, para cada copo você vai usar:
1/2 limão com casca picado
um "punhado" de hortelã
duas colheres de açúcar, ou adoçante
uma dose de vodka
Amassar tudo com um socador no fundo do copo, completar com soda limonada, tônica ou água gasosa e muito gelo!
Tim, tim!

Petrópolis, a cidade de sonhos da Rosélia

Hoje a Série Cidades de Sonho vai mostrar Petrópolis, a encantadora cidade de sonhos da nossa amiga Rosélia, do blog http://espiritual-idade.blogspot.com/
As fotos e a descrição são dela, a quem eu agradeço muitíssimo a participação!
"Morei em Petrópolis e sempre vou por lá... nunca gostei de voltar para onde saí, mas confesso que lá eu voltaria se não fosse o frio a me maltratar a saúde por demais...
É uma região lindíssima e que reflete os ares da Europa, certamente!!!
Construída em base aos modelos imperiais... a "cidade da pedra" é puro fascínio"!!!
Os passeios de charrete... a visita ao Palácio de cristal... à casa do aviador Santos Dumond... o Relógio de flores da Universidade Católica... a Majestosa Catedral... tantos e tantos parques e Praças floridas e limpas... nem dá para descrever, com exatidão tamanha beleza... me encanta a vista e o coração... alegra meu ser... um visual espetacular...
O "russo" que cai à tardinha... encenando um clima europeu...
A subida ou descida pela Serra é, com efeito, deslumbrante!!! Ora faz um clima ameno ora faz um frio congelante...
Morando lá, minha pequena tinha sempre o narizinho vermelho com aquelas bochechinhas rosadas... Abrir a boca era como que tomar um pouquinho de gelo em pleno inverno constante... Verão??? Só mesmo em janeiro...
Haja edredom e cobertores grossos... pois o frio que nos espera por lá... é tremendo!!!
Teria muito mais para escrever, mas quero destacar somente o Museu Imperial...
Nunca me canso de olhar aqueles pertences dos imperadores e os utensílios do Palácio... as roupas finas das damas e cavalheiros imperiais... Lindo demais!!!
Sempre caminho em meio aos seus jardins... pela manhãzinha quando lá estou... respiro um ar puro e vislumbro os matizes de verde...
Lugar dos meus sonhos..."
Esta é a cidade de sonhos da Rosélia, e a sua, qual é? Espero a participação de vocês na Série Cidade de Sonhos!