sábado, 27 de novembro de 2010

Pão de ervas e iogurte

Aproveitando as minhas plantinhas que estão verdejantes por causa da chuva que tem caído nos últimos, dias resolvi fazer uma pão que levasse ervas, e achei esta no site da Nestlé...ficou simplesmente divino, taí, e espero que gostem!
O sabor das ervas fica bem suave, na medida certa. E a massa é bem macia e maleável pela presença do iogurte...
Fiz meia receita e rendeu uma forma grande...no lugar do orégano seco, coloquei fresco, e tbm acrescentei uma cebola pequena, deu o maior sabor!

Ingredientes

1 tablete de fermento biológico (15g)
1 colher (sopa) de açúcar
meia xícara (chá) de leite morno
2 potes de iogurte natural - cada um tem 200gr
meia xícara (chá) de óleo
1 ovo
meia xícara (chá) de queijo parmesão ralado
1 colher (sopa) de orégano
meia colher (sopa) de sal
4 xícaras (chá) de farinha de trigo
manteiga , para untar
farinha de rosca , para polvilhar
1 gema , para pincelar
1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado
1 colher (chá) de orégano

Coloque em um recipiente refratário grande o fermento, o açúcar e mexa até ficar líquido. Acrescente o leite, os Iogurtes, o óleo, o ovo, o queijo, o orégano e o sal. Com o auxílio de uma colher vá adicionando a farinha de trigo aos poucos até ficar uma massa consistente e homogênea. Coloque em uma fôrma para bolo inglês grande (11 X 28 X 8cm) untada e polvilhada com farinha de rosca. Deixe crescer em lugar aquecido por cerca de 1 hora. Pincele com a gema e polvilhe o queijo parmesão e o orégano. Asse em forno médio (180°C), pré-aquecido por aproximadamente 30 minutos. Espere amornar e desenforme.

Sirva puro, quentinho com manteiga, com patê, com queijo...muito, muito bom!
Pra quem não conhece esse é o orégano, que está lindo e abundante na minha jardineira

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O Arroz de Palma - Família é um prato difícil de preparar...

Um livro lindíssimo, que eu acabo de ler...e indico a você...a você que gosta da leitura leve, de um romance bem conduzido, de uma história cheia de sensibilidade...
O livro conta os cem anos de uma família comum, que poderia ser a minha, a sua, a de qualquer um...
Como bem dito por Leticia Wierzchowski, em frase na capa do livro, O Arroz de Palma é "uma história de família como um almoço de domingo."
Leia alguns trechos, e me diga: Você também acha que família é um prato difícil de preparar?

"Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes.
Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo.
Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência.
Não é para qualquer um.
Os truques, os segredos, o imprevisível. Às vezes, dá até vontade de desistir.
Preferimos o desconforto do estômago vazio.
Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e
aquele fastio.
Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite.

O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares.
Súbito, feito milagre, a família está servida.
Fulana sai a mais inteligente de todas.
Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.
Sicrano, quem diria? Solou, endureceu, murchou antes do tempo.
Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante.
Aquele o que surpreendeu e foi morar longe.
Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente
E você? É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia.
Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais
sentimental? A mais prestativa?
O que nunca quis nada com o trabalho?
Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo.
Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida.
Não há pressa. Eu espero.
Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados.
Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola.
Não se envergonhe de chorar. Família é prato que emociona.
E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.
Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco.
Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.
Atenção também com os pesos e as medidas.
Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre.

Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido.
Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora
que se decide meter a colher.
Saber meter a colher é verdadeira arte.
Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.

O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita.
Bobagem. Tudo ilusão. Não existe “Família à Oswaldo Aranha", "Família à
Rossini”, Família à “Belle Meunière” ou “Família ao Molho Pardo” em que o
sangue é fundamental para o preparo da iguaria.

Família é afinidade, é “à Moda da Casa”.
E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.
Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas.
Há também as que não têm gosto de nada, seriam assim um tipo de “Família Diet”, que você suporta só para manter a linha.
Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente,
quentíssimo.

Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.
Enfim, receita de família não se copia, se inventa.
A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia- a -dia.
A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel.
Muita coisa se perde na lembrança, principalmente na cabeça de um velho já
meio caduco como eu.
O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer.
Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas.
Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo.

Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete."

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Cookies de Laranja e Cramberries

Receita do http://technicolorkitchen.blogspot.com

Mais uma receitinha de biscoitos pra alegrar as tardes de trabalho, e acompanhar aquele cafezinho costumeiro... 

Anote a receita

xícara medidora de 240ml
1 xícara (226g) de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
2/3 xícara de açúcar de confeiteiro, peneirado
2 gemas grandes, em temperatura ambiente
1 pitada de sal
1 colher (chá) de baunilha
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
raspas da casca de 2 laranjas
½ xícara de cranberries secas


Coloque a manteiga na tigela da batedeira e, com o batedor em formato de pá, bata em velocidade média até ficar cremosa. Adicione o açúcar de confeiteiro e bata novamente até a mistura ficar sedosa e homogênea. Ainda batendo, acrescente as gemas, o sal, as raspas de laranja e as cranberries. Reduza para a velocidade baixa e adicione a farinha, batendo só até que ela desapareça na massa – é melhor bater de menos do que bater demais; se a farinha não sumir, termine de incorporá-la à massa com uma espátula de silicone/borracha. Transfira a massa para uma superfície de trabalho, forme uma bola e divida-a pela metade. Embale cada parte com plástico ou filme PVC e leve à geladeira por 30 minutos
Numa superfície plana, modele cada parte da massa de modo a formar um “tronquinho” de 2,5 a 3,2cm de espessura – consiga a espessura correta e não se preocupe com o comprimento. Embale cada “tronquinho” de massa com filme PVC/plástico e refrigere por 2 horas (você pode deixá-los na geladeira por até 3 dias ou congelá-los por até 1 mês)
Pré-aqueça o forno a 180ºC – a receita diz para levarmos duas formas ao forno de uma vez; nunca faço isso com meus cookies, sempre asso uma forma por vez, no centro do forno.
Forre duas assadeiras grandes, de beiradas baixas, com papel manteiga
Enquanto o forno aquece, retire os tronquinhos de massa da geladeira e remova o plástico. Usando uma faca bem afiada, fatie a massa, formando os cookies – eles devem ter 1cm de espessura; caso queira cookies mais grossinhos, é só aumentar o tempo deles no forno. Coloque-os nas assadeiras preparadas, deixando 1,5cm entre um e outro
Asse os cookies por 12-14 minutos, ou até que firmem, sem dourar. Transfira-os para uma gradinha e deixe esfriar completamente
Guarde-os num pote hermético por até 5 dias em temperatura ambiente ou congele-os por 1 mês
Rend.: cerca de 50 cookies

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Arte com comida - Mosaicos de Jason Mecier

Jason Mecier é um artista de mosaicos, que cria retratos feitos de materiais inusitados - ou seja, comida. Batata frita, feijão, pães de hambúrguer, doces, biscoitos, macarrão, biscoitos e se juntam para interpretar as imagens de celebridades como Rosie O'Donnell, Rachel Ray, Jerry Seinfeld e Kristy Yamaguchi. Os temas de seus retratos deixaram comentários em seu site como esta jóia de Boy George: "Como é fabuloso! Eu sou uma cabeça de linguine".
Se você também se interessa por arte com materiais inusitados veja mais em: http://www.jasonmecier.com/food.html

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Biscoito de Queijo da Tida

Minha amiga Tida disse que esses são os melhores biscoitos de queijo do mundo, e eu concordo com ela!
Aqui em casa já viraram mania...coisa mais deliciosa que você faz rapidinho, congela e vai tirando aos poucos e assando conforme a sua necessidade. O negócio é que a necessidade aqui de casa é toda hora...e haja biscoito no freezer pra dar conta desse pessoal...mas são também os meus preferidos pra acompanhar o café preto de manhã...não posso negar...esses biscoitos são viciantes!
Tida, agradeço, eu e todo o "meu povão", os biscoitos tão gostosos!

Pode anotar a receita, tenho certeza que você também vai adorar!

4 xícaras de chá polvilho - ela usa doce, mas eu uso azedo
4 xícaras de chá queijo meia-cura
1 xícara de chá com menos de um dedo da borda de óleo (as outras medidas são todas cheias)
1 xícara de chá leite onde misturo uma colher de sopa de suco de limão
4 ovos
1colher de sopa rasa de sal

Misturar tudo e amassar bastante. Modelar e assar um tabuleiro para ser saboreado quentinho na hora.

E ela dá a dica...
O restante fazer congelamento em aberto, depois armazenar em saquinhos e conservar no freezer. Quando preciso,é só ligar o forno e colocar o tabuleiro com os biscoitos congelados. Isso mesmo forno ainda frio e biscoito congelado.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Lord of The Dance - Um Espetáculo Celta

E já que este blog fala não só do prazer gastronômico, mas também do prazer da música e da dança, gostaria de mostrar pra vocês a arte de Michael Flatley e o espetáculo que ele criou: "Lord of the dance", que... 
Eu nunca tive o prazer de assistir, mas vendo pela tela do computador, já  sinto um arrepio...é incrível!

Lord of the Dance...o Deus da Dança..literalmente! 

"Lord of the Dance (Deus da Dança) é um espetáculo irlandêsde dança e música criado, coreografado, estrelado e produzido por Michael Flatley, dançarino americano filho de irlandeses. A música para o espetáculo foi escrita por Ronan Hardiman. 
Michael Flatley ficou famoso estrelando no Riverdance, mas abandonou o show em 1995 antes da sua estréia em Londres, devido a desentendimentos com a direção. O sonho de Michael era montar um espetáculo de dança capaz de ser exibido em arenas e estádios em vez de teatros tradicionais. O espetáculo, Lord of the Dance, concebido por Flatley levou 6 meses para tornar-se realidade. 
Os espetáculos de pré-estréia foram realizados no Point Theatre em Dublin, de 28 de junho até 1 de julho de 1996 e a estréia foi no dia 2 de julho de 1996. A história é baseada no personagem Lord of the Dance (Deus da Dança) e a sua luta contra o senhor do mal "Don Dorcha" que queria conquistar Planet Ireland (Planeta Irlanda). O tema "Amor contra Luxúria" também é desenvolvido através da dança ao longo do espetáculo. As histórias são baseadas no antigo folclore irlandês. Em março de 1997, Lord of the Dance apresentou-se durante a cerimônia do Óscar e em novembro do mesmo ano expandiu-se formando quatro (4) companhias criadas para turnês nos Estados Unidos, Europa, Ásia e África. 
Hoje existem apresentações do espetáculo nos quantro cantos do planeta, e em novembro as trupes estão se apresentando na Europa. 

domingo, 21 de novembro de 2010

Brownies Triplos

Não, não sou super fã de brownies, mas numa casa onde moram jovens (eu me incluo nessa...) tem que ter coisas assim de vez em quando...brownie com sorvete tem que fazer parte da nossa vida, nem que seja de vez em quando...da nossa não, porque eu prefiro brownie com café...mas tenho certeza que você prefere com sorvete de creme, acertei? Então...vai lá fazer...é muito bom!

Brownies triplos

* use xícara medidora de 240ml

Ingredientes:

¾ xícara + 1 colher (sopa) - 185g - de manteiga sem sal
185g de chocolate amargo picado
3 ovos
1 ¼ xícaras (250g) de açúcar
1 colher (chá) de baunilha
2/3 xícara (94g) de farinha de trigo
½ xícara (45g) de cacau em pó sem adição de açúcar
1 pitada de sal
¾ xícara (116g) de chocolate branco em pedaços graúdos
¾ xícara (116g) de chocolate ao leite em pedaços graúdo

Pré-aqueça o forno a 180ºC; forre uma forma quadrada de 20cm com papel alumínio, deixando sobrar para fora da forma, formando “alças”. Unte o papel com manteiga e reserve.
Coloque a manteiga e o chocolate amargo numa panelinha e leve ao fogo baixo, mexendo até derreterem. Retire do fogo e deixe esfriar
Junte os ovos, o açúcar e a baunilha na tigela grande da batedeira e bata até obter um creme claro. Usando uma espátula de borracha/silicone, misture os ingredientes derretidos
Peneire a farinha, o cacau e o sal sobre o creme de chocolate e misture com a espátula. Acrescente os chocolates branco e ao leite picados e misture bem. Despeje na forma preparada e leve ao forno por 35-40 minutos ou até a superfície firmar – se você assar demais a consistência do brownie ficará totalmente diferente.
Deixe esfriar, remova da forma e corte em quadradinhos.

Receita retirada daqui:http//technicolorkitchen.blogspot.com