sábado, 8 de janeiro de 2011

Cartola - Uma herança portuguesa

Cartola...Banana, queijo, açúcar e canela...Nada mais simples, e mais delicioso...Dizem que é nordestina, mas eu digo que é mineira...hehehe...pelo menos a daqui de casa é, pois é feita com queijo mineiro curado ao invés do queijo de manteiga que se usa no nordeste.

Leia a reportagem de Lectícia Cavalcanti, e sabendo de tudo, vá preparando a sua deliciosa "Cartola" 

"Ela nasceu nas casas-grandes dos engenhos. Em cozinhas simples, longe dos quartos e das salas, debaixo de puxados construídos fora das casas. Era mesmo o melhor lugar para cozinhar, nesse clima tropical - e disso já bem sabiam nossos índios. Sem que se possa precisar onde e quando foi, pela primeira vez, produzida a Cartola - essa que é uma das mais tradicionais (e saborosas) sobremesas pernambucanas. Nem quem a inventou. O nome se deve, provavelmente, à cor escura da canela e ao formato alto do queijo sobre a banana - que remotamente lembra mesmo aquela cartola, usada na época. A receita, como tantas outras, nasceu da mistura de ingredientes, técnicas, experiências e hábitos culturais do colonizador português, do índio e do escravo africano.
Principal ingrediente é a banana. Uma fruta que se espalhou, pelo mundo, por mãos árabes. Deles nos veio também a própria origem do nome - "banan" (dedos). Uma palavra que muda pouco, nas muitas línguas em que é pronunciada. Em português, inglês e italiano, é banana mesmo; em francês e em alemão, banane; em espanhol, plátano, mas também banana. Verdade que já havia, por aqui, uma espécie nativa brasileira, pelos índios denominada "pacova"(pa'koua), a que os brancos chamaram "banana-da-terra" - depois, no Nordeste, mais conhecida como "banana-comprida". Mas, para a cartola, só mesmo a banana prata, fruta que o português trouxe das Ilhas Canárias.
Outro ingrediente importante é o queijo do sertão, também chamado "de manteiga". Tem origem no Nordeste do Brasil. A partir da "manteiga de garrafa", um ingrediente presente em vários pratos nordestinos. Inclusive carne de sol. Na África, é conhecida como "ghee"ou "butteroleo". Sendo já muito apreciada pelos escravos que aqui chegaram. A preparação do queijo é simples. Depois que o leite ferve e talha, é posto em peneira para escorrer o soro. Volta ao fogo, juntam-se leite, sal e manteiga de garrafa, e é posto ainda quente em formas de madeira.
Para finalizar, polvilha-se tudo com açúcar e canela. A técnica, vem de longe, pela primeira vez referida no "Libro de arte coquinário"(1460), de Martino de Rossi - mais conhecido como Mestre Martinho, um cozinheiro afamado que serviu ao Duque de Milão e ao Vaticano. Com os portugueses, aprendemos a técnica dessa mistura de especiarias. E foi das boas coisas que nos deixaram, ora pois."

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Estenda esse momento...sorria de volta!

Um show de criatividade...propaganda da Brastemp...genial
Ahhhh...como queria de ter estado no meu carro a essa hora... 
Gostaria muito que você visse...e sorrisse de volta pra mim...
Bom dia!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Chocolat Mayonese Cake

Precisa de um bolo bem rápido pra "matar a fome" num momento de desespero? Ou para não chegar de "mãos abanando" na casa onde foi convidado?Pode fazer esse bolo de chocolate e todos vão ficar satisfeitos, claro! Mas não conte que ele leva maionese na massa...por favor não conte! Pois ninguém vai entender nada...afinal todo Chef tem seu segredo, não é?

Anote a receita, e receba os cumprimentos, este bolo é genial!

Ingredientes:
* use xicara medidora de 200ml 

1/2 xícara de maionese
2  xícaras de farinha de trigo
1 xícata de açucar
3 ovos
3/4 de xícara de chocolate em pó ( eu uso cacau em pó, sem açúcar)
1 xícara de água quente
1 colher de sobremesa de fermento em pó

Preparando:
Bater os ovos com o açucar até que fique uma mistura clara e fofa. Sempre a batendo, incorporar a maionese e juntar aos poucos a farinha, alternando com a água quente, onde já estará dissolvido o chocolate em pó.
No final adicione o fermento.
Leve à assar numa forma untada e enfarinhada no forno pré-aquecido
durante 35 minutos.
Desenforme depois de frio e polvilhe com açúcar de confeiteiro, se gostar.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Fotografando Comida...mais um

Me desculpem se às vezes fico repetitiva aqui no blog, mas é que eu adoro fotografia, e se tem comida no meio...mais ainda...
Hoje quero mostrar para vocês as fotografias de Sarah Illenberger, fotógrafa alemã que gosta de retratar objetos do dia a dia de uma maneira meticulosa e criativa
Se quiser conhecer mais da artista e suas obras, visite: http://www.sarahillenberger.de/

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Caneloni Invertido...Dolce far niente

Você está de férias? De papo pro ar...só curtindo a vida? Eu não...Estou trabalhando como nunca, Graças à Deus, as viagens estão em alta, e esse período pra mim é de cansaço puro...mas é melhor assim...afinal o trabalho é dom de Deus...e eu adoro o que eu faço!
Mas voltando ao nosso assunto...O Eternos Prazeres traz pra você hoje uma receitinha ridícula de tão fácil...pra você não "esquentar a cabeça" na hora de comer bem...
Linguini ou spaghetti, cozidos "al dente" e enrolados numa fatia de presunto e uma de mozarella...
Coloca um molhinho de tomate bem básico e dá aquele toque com folhinhas de manjericão pra todo mundo pensar que você teve um trabalho enorme...Parmesão ralado, e forno...
Tem coisa mais fácil nesse mundo? Ah, relaxa, vai!!!! A vida é bela! E comer é melhor ainda!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Broa de Fubá Cozido, pra começar bem o ano

Pra começar bem 2011, uma broinha de fubá pro café da manhã bem gostoso...
O trabalho me chama, mas com a barriguinha cheia é bem melhor!
Bom dia e ótimo começo de ano pra você! 

Ingredientes:
2 xícara(s) (chá) de fubá
2 xícara(s) (chá) de açúcar
2 xícara(s) (chá) de leite
1 xícara(s) (chá) de óleo de soja
1 xícara(s) (chá) de queijo ralado
5 unidade(s) de ovo
1 colher(es) (sopa) de fermento químico em pó
1 colher(es) (sobremesa) de erva-doce

Como fazer:


Misture o fubá,o leite,o açúcar e o óleo.Leve ao fogo durante 10 minutos
mexendo sem parar,até virar um mingau bem cozido. Deixe esfriar e
acrescente as gemas,o queijo ralado e a erva-doce.
Por último,as claras em neve e o fermento.Misture bem levemente,coloque em fôrma untada e enfarinhada.
Leve ao forno quente por 30 minutos ou até que,enfiando um palito,este saia seco.