sábado, 21 de maio de 2011

Peras em calda de curry

 
Te parece estranho? A mim nem um pouco...hehehe...minha cozinha é assim, chegada no diferente, no incomum... 
Por incrível que possa parecer peras e curry combinam perfeitamente bem!
 
Ingredientes:
6 peras firmes, descascadas, com o cabo 
1 colher de chá de casca de limão ralada 
1 colher de chá de curry em pó 
Suco de 1 limão  
6 colheres de sopa de mel  
6 colheres de sopa de açúcar
6 tiras finas de casca de laranja  

Modo de preparo: 
Ou mantenha as frutas numa compoteira, mergulhadas na calda, ligeiramente salpicadas com a especiaria. Sugestão de acompanhamento: sorvete de creme.Coloque as peras em uma panela com o suco e limão misturado a água suficiente para cobrilas. Junte, mexendo com extrema delicadeza, a casca de limão, o curry, o mel, o açúcar e a casca de laranja. Leve ao fogo e, quando começar a ferver, abaixe a chama, esperando cerca de 25 minutos, até que as peras cozinhem sem, no entanto, perder a firmeza. Retire-as da panela, espere que esfriem e leve- as à geladeira. Enquanto isso, leve a calda novamente ao fogo para se reduzir até engrossar. Quando estiver no ponto, espere esfriar e leve à geladeira também. Na hora de servir, coloque cada pêra no centro de um prato, derrame um pouco da calda e salpique com um nadinha de curry. 

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Naan - Pão Indiano

Tenho chegado em casa bastante cansada, pois nessa época do ano eu trabalho "como gente grande"...ficar por horas diante do computador numa sala fechada diante de uma mesa repleta de papéis e providências é algo bastante cansativo, mas daqui a pouco já está na hora de viajar, e a cabeça vai agradecer...
Como ainda tinha um pouco de mango chutney de fabricação caseira, resolvi fazer esse pão naan para acompanhar...
Obviamente não tenho um forno tipo "tandoor", mas preparei meus pães na frigideira mesmo, e digo que não ficaram devendo em nada para os verdadeiros...
Se você quiser arriscar, aqui vai a receita, bem boa por sinal!
Ingredientes:
- 1/2 kg de farinha de trigo
- 50 g de açúcar
- 30 g de fermento em pó
- 1 colher (chá) de sal
- 40 g de manteiga sem sal (derretida)
- 1 ovo
- 100 ml de iogurte natural
- 1/2 xícara de água

Modo de Preparo:
Coloque todos os ingredientes em um recipiente.
Mexa até a massa ficar homogênea
Separe a massa em 10 bolinhas.
Em seguida, deixe a massa descansar por 2 ou 3 h.
Abra com um rolo de macarrão e coloque para assar até a casca do pão ficar dourada.

Como eu disse acima, os meus fiz direto na frigideira bem aquecida, mas você pode fazer no forno tradicional também...lembrando que o forno deve estar em temperatura alta, e os pães devem ficar lá aproximadamente 3 min de cada lado

Por cima do pão, passe manteiga derretida e caso não possa ir a India nesse momento, sinta-se como se estivesse lá!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A arte das especiarias

Talvez nenhum outro componente culinário tenha possuído um papel tão determinante na História mundial como as especiarias. Por elas travaram-se guerras, floresceram e feneceram nações, abriram-se rotas comerciais, mudaram-se os hábitos gastronômicos
Independentemente do sentido do termo, desde tempos imemoriais as especiarias foram utilizadas pelos povos do Oriente, transportadas por mar; em rotas que atravessavam os oceanos Indico e Pacífico. Chegavam a Imperadores e ao homem do povo, quer como tempero de alimentos, quer ligadas a rituais religiosos, ou mesmo como remédio indicado para as mais diversas maleitas.
Durante um longo período da história da humanidade, as especiarias chegavam as margens do mediterrâneo em pequenas quantidades, vendidas de imediato a preços elevadíssimos. O fato só aumentava o fascínio que estas exerciam sobre as civilizações que floresciam na região. Eram produtos tidos no âmbito do quase mágico. Vindos de terras distantes, também elas encobertas num véu de mistério e alguma sedução.
Contudo, razões bem reais tornavam proibitiva a incursão de grandes quantidades de especiarias na Europa. Os comerciantes sentiam grandes dificuldades em as fazer atravessar os mares e os continentes desde as terras do Oriente, algumas bem longínquas, até à Europa. Isto agravado por impostos e taxas aplicados nos territórios e portos por onde passavam.
Estando estes produtos apenas ao alcance das bolsas e mesas dos mais ricos, não admira que as especiarias fossem equiparadas, em valor, ao ouro. Assim se compreende que muitos testamentos deixassem como herança avultadas quantidades de especiarias.
As fotos são do fotógrafo japonês Yamada Taro

terça-feira, 17 de maio de 2011

Biscoitos Amanteigados de Geleia


Eu tenho essa receita de biscoitos há bastante tempo, quem me deu foi a Valentina, do Trembom. Eles são deliciosos, macios, amanteigados, magníficos!!!! Exagero meu? Talvez....sou apaixonada por biscoitos, você já sabe né?
Biscoitinhos delicados, gostosinhos e bonitinhos pra enfeitar a sua mesa, a sua vida, o seu momento!

A receita: 

200gr de manteiga
1 xícara (chá) de açúcar
2 gemas 
2 ½ xícaras (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de amido de milho
100gr de geléia de sua preferência

Bata o açécar com a manteiga até ficar bem cremoso. Acrescente a baunilha e as gemas e bata até clarear.Acrescente aos poucos a farinha e o amido de milho, até que se obtenha uma massa firme e homogênea.
Enrole num plástico pvc e leve à geladeira por 30min.
Espalhe então a massa sobre uma folha de papel manteiga ou  plástico. Escolha uma geléia da sua preferência e espalhe sobre a massa como se fosse um rocambole.
Leve de volta à geladeira e depois de bem firme, corte em rodelas não muito finas e leve ao forno numa assadeira forrada de papel manteiga.
Não deixe dourar muito!


  Se quiser outros biscoitinhos dê uma olhada nestes também!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Camarão com creme de abóbora e leite de coco


Mais um modo de fazer do que propriamente uma receita...idéia que eu vi lá na Nane, do http://vovoqueensinou.blogspot.com/ que por sua vez copiou do antigo Rainhas do Lar.
Não vou dar as quantidades exatas, pois cada um sabe o tamanho da sua fome e do seu povo não é?
Primeiro cozinhei a abóbora, em pouca água, temperada com um tablete de caldo de galinha ( eu confesso que não vivo sem eles!) 
Depois de cozida, bati a abóbora com o caldo no processador até virar um purê. Reservei.
Refoguei uma cebola no azeite e juntei os camarões que já tinham sido temperados. Juntei mais uns temperos pra dar uma alegrada: pimenta vermelha, mais um pouquinho de sal, páprica...
Deixei que fritassem ligeiramente, e juntei então o purê de abóbora e 100ml de leite de coco. Ferveu, apurou, provou o tempero...está pronto!
Servi com arroz branco, polvilhei uma salsinha...e foi um belo almoço de domingo pra ninguém botar defeito!

E o seu almoço? Como foi? 

domingo, 15 de maio de 2011

Blogagem Coletiva Fases da Vida - Adolescência

Pra ilustrar a Blogagem Coletiva Fases da Vida, que hoje tem como tema a adolescência,. eu me lembrei dessa música de ritmo gostoso e bem brasileiro que fala de um jeitinho engraçado dessa mudança que acontece na vida da uma menina que vai aos poucos se transformando em mulher...de manhã cedo já tá pintada, só vive suspirando, sonhando acordada...pra essa menina não tem remédio...

Xote das Meninas, de Luiz Gonzaga...Ela só quer, só pensa em namorar, ela só quer, só pensa em namorar!!!!


Mandacaru
Quando fulora na seca
É o siná que a chuva chega
No sertão
Toda menina que enjôa
Da boneca
É siná que o amor
Já chegou no coração...
Meia comprida
Não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado
Não quer mais vestir chitão...
Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...
De manhã cedo já tá pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao dotô
A filha adoentada
Não come, nem estuda
Não dorme, não quer nada...
Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...
Mas o dotô nem examina
Chamando o pai do lado
Lhe diz logo em surdina
Que o mal é da idade
Que prá tal menina
Não tem um só remédio
Em toda medicina...
Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...
Mandacaru
Quando fulora na seca
É o sinal que a chuva chega
No sertão
Toda menina que enjôa
Da boneca
É sinal que o amor
Já chegou no coração...
Meia comprida
Não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado
Não quer mais vestir de mão...
Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...
De manhã cedo já está pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao doutor
A filha adoentada
Não come, num estuda
Num dorme, num quer nada...
Porque ela só quer, hum!
Porque ela só quer
Só pensa em namorar...
Mas o doutô nem examina
Chamando o pai do lado
Lhe diz logo em surdina
Que o mal é da idade
E que prá tal menina
Não tem um só remédio
Em toda medicina...
Porque ela só quer, oh!
Mas porque ela só quer, ai!
Mas porque ela só quer
Oi, oi, oi!
Ela só quer
Só pensa em namorar
Mas porque ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...