quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Dezembro...

Quando chega Dezembro é exatamente assim que eu me sinto, 
Peguei emprestado o texto que o Arthur Xexeu escreveu no Jornal O Globo, e gostaria de compartilhar com vocês as minhas impressões...parece que fui eu quem escrevi este texto...Enfim...

"Por mim,  dezembro seria eliminado do calendário.  Depois do 30 de novembro, a gente saltaria direto para 1º de janeiro e já começaria a pensar no carnaval. Não que novembro também não esteja se tornando um mês irritante, com as comemorações de Halloween e da Black Friday incorporando-se às tradições brasileiras. Mas, enquanto a gente não festejar o Thanksgiven, acho que dá para aguentar. Dezembro é que é puxado.
Gosto de Natal e Ano Novo, aprecio rabanadas e roupas brancas. Meu problema é com o corre-corre que antecede essas datas. Por mais que eu me organize, em dezembro sempre tenho a sensação de estar atrasado, de estar devendo alguma coisa, de não estar cumprindo metas. Dezembro, definitivamente, não dá tempo.
Sei que o mês tem suas vantagens. É quando recebemos o 13º salário, por exemplo. Mas antes de eu comemorar a chegada deste suplemento salarial à minha conta bancária, eu me lembro que os meus empregados também têm que receber o salário extra. E aí começam a chegar os pedidos de caixinha para porteiros,  entregadores de jornal, funcionários que medem a luz, entregadores de revista, lixeiros... Antes de pensar seriamente em pedir uma caixinha para meus leitores, tenho que comprar presentes para os parentes, para os amigos, para os colegas... Quando o mês acaba, meu saldo está negativo. Ou estou com o saldo negativado, como se diz agora nas propagandas de TV que prometem dinheiro fácil para ingênuos que não sabem fazer contas.
Finanças à parte, dezembro me oprime com as festas de confraternização. Fujo das que contam com minha participação. Mas não consigo fugir das dos outros. Dezembro, portanto, não é mês para se jantar ou almoçar fora. Sempre haverá um grupo de telefonistas ou de escriturários ou de jornalistas comemorando na mesa ao lado. É mês de shopping lotado. Esse obstáculo é fácil de superar. Basta não ir a shoppings por um mês. Não chega a ser um grande sacrifício. O problema é que o corre-corre característico da temporada, a sensação de estar sempre atrasado, o acúmulo de tarefas acabam adiando o momento de fazer as compras de Natal. Aos 45 minutos do segundo tempo, não tem jeito: vai-se ao shopping. É sofrimento na certa, mas como evitá-lo?
E chega o verão. Gosto de verão em tese, ou seja, antes de ele se fazer presente. Meu conceito de casa ideal é aquela com lareira na sala e um armário cheio de ededrons. Mas, como carioca da gema, sonho com o verão. Até começar a suar exageradamente, usar bonés para não queimar a careca e ver a conta de luz chegar a níveis astronômicos por excesso de uso do ar condicionado. E a estação  começa justamente em dezembro, como se o mês já não tivesse esgotado sua cota de itens desagradáveis (não vou nem comentar a árvore da Lagoa).
Em dezembro, há mais carros na rua e, consequentemente, mais congestionamentos. É quando a televisão tira do arquivo toda a sua coleção de filmes bíblicos. É quando o “Jornal Nacional”  produz mil e uma matérias sobre a solidariedade que fazem chorar tudo que não chorei o ano inteiro. É quando os supermercados gritam ofertas de bacalhau e de vinhos com desconto. É mês de amigo oculto! Quem inventou o amigo oculto?
O bom de dezembro é que, como os outros meses do ano, ele, mais cedo ou mais tarde, acaba. Sempre acho que é mais tarde. Penso que não  sobreviverei a ele. Já cumpri 1/3 do sacrifício deste ano. Até agora, tudo bem. Mas torço para janeiro do ano que vem chegar logo."

17 comentários:

  1. Sinto exactamente o mesmo,passava bem sem este mês.
    Adorei o texto.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Renata,
    apoiada!
    Estou tentado me livrar dessa obrigação desenfreada de comprar e decorar e presentear. Pra completar tem meu aniversário (semana que vem), data que me deixa sempre melancólica. Agora não sei se é a data ou se é porque é em plenos mês de dezembro.
    Adorei o texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. É exatamente assim, essa sensação de que estamos atrasados e não vamos dar conta, uma loucura !!
    Dezembro mal começa e já me sinto devedora…rsrsrs
    Xexeu é ótimo !! Obrigada por compartilhar o texto Renata, adorei !!

    Beijinhos
    Marisa

    ResponderExcluir
  4. Oi Renata!!

    Eu adoro dezembro!! Justamente por ser o mes de festas, de reunir amigos, de encontros, de presentes e de parentes. Gosto do burburinho de dezembro, do corre corre, das compras e do amigo secreto. Mas respeito as opiniões diferentes!!

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, o que seria do amarelo se todos preferissem o branco não é mesmo? rsss...
      Eu também gosto muito de estar com os amigos, família, etc, não gosto é das obrigações e a correria desenfreada que o Natal tem nos trazido.

      Obrigada pela visita, volte sempre!

      Excluir
  5. Bom dia Renata,
    Agradavam-me os festejos de Dezembro antes dos marketeiros de algumas marcas de produtos terem apadrinhado essa data festiva para as campanhas, desvirtuando o significado...
    Beijo,
    Vânia

    ResponderExcluir
  6. Oi, Re,

    Estou aqui rindo das palavras do Xexéo, que traduzem tão bem o que acontece em dezembro, rsrs. Mas, por mim, o Natal seria igual ao thanksgiving, ou seja, sem presentes, o que já aliviria bastante as irritações propiciadas pelo mês, rsrs.

    Beijo e boa tarde, darling!

    ResponderExcluir
  7. Oi Renata,
    Adorei o texto, entendo perfeitamente esse sentimento.
    Há alguns anos parei de compartilhar da histeria coletiva do Natal.
    Não que eu não goste, mas passei a respeitar mais meu ritmo e não me submeto a estresses desnecessários.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Gostei do texto eu gosto do mês de Dezembro mas nào é o meu preferido acho muito agitado muito movimento em tudo.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Muito legal o texto! Realmente dezembro tem se tornado cada vez mais agitado, o que nem sempre é bom. Se não nos policiamos, entramos no ritmo frenético e o tempo não é tão bem aproveitado... infelizmente, durante todo o ano! Adoro o blog! =)

    ResponderExcluir
  10. Realmente ele sabe do que está falando!
    É exatamente isso que sinto tbém, apesar de adorar o Natal! A correria, a sensação de faltar alguma coisa, as caixinhas, o presente de última hora, o calor insuportável que o carioca insiste me dizer que adora, aff... mas que chegue dezembro! Mesmo com todos os engarrafamentos, com todas as filas e tropeços, é festa! É verão! É Natal!
    Bjinhus, Renata - andava meio sumida pois estava viajando, mas agora de volta aos atropelos deliciosos de dezembro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como carioca da gema, filha de cariocas da gema, admito que esse calor horroroso aqui no Rio é desolador. Pense que todos gostam, porque não é assim.
      Detesto verão e ainda mais no Rio! Fico trabalhando suada, não há maquiagem que resista, perfume que dure e elegância que não se extingue. Quando chega abril, aí sim eu começo a sorrir =0D
      Fora os quilos de bloqueador solar 70, porque, apesar de carioquíssima, sou branca e sardenta.

      Excluir
  11. Como empecemos a sacarle meses al año nos quedamos sin.
    Feliz fin de semana!
    Besos.

    ResponderExcluir
  12. Amiga linda
    Hehehe, te entendo Rê e espero que consiga sobreviver sem traumas:)
    Te desejo um lindo fim de semana.
    Bjim com muito karim
    Léia

    ResponderExcluir
  13. RÊ.
    Concordo com tudo que ele escreve, também falou por mim.
    É exatamente assim....ainda sem falar das briguinhas entre familias, quem vai passar com quem...e as ofensas!!!!!
    Bom fim de semana e beijinhos da Gina

    ResponderExcluir
  14. Xexeo acertou em cheio na crônica. Creio eu até que nem foi crônica, foi desabafo mesmo.
    Calor insuportável, shoppings e lojas apinhados, correria dentro do supermercado e Natal em família, aaaaa, ceia com as eternas discussões políticas e religiosas, cada qual defendendo postos de vistas. Só Jesus na causa.

    Tem momentos que eu queria, sinceramente!, que o Papa decretasse fim do Natal. De verdade.

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo aqui,fique a vontade para deixar seu comentário!