sábado, 25 de agosto de 2012

Matterhorn, a Montanha do Toblerone

Matterhorn, uma das montanhas mais famosas e mais emblemáticas do mundo.
O Matterhorn e a Suíça estão inseparavelmente ligados. Essa colossal montanha piramidal, dificílima de escalar, é considerada a mais fotografada do nosso planeta.


Com sua forma típica, foi usado como modelo para o chocolate Toblerone, você não se lembra?
Localizado na fronteira da Suíça com a Itália (onde é conhecido como Monte Cervino, domina a cidade suíça de Zermatt.
Zermatt situa-se no sopé do Matterhorn. O desenvolvimento turístico da cidade está intimamente ligado à famosíssima montanha
Uma pequena, mas super charmosa e aconchegante cidadezinha, onde carros são proibidos de circular desde 1947, preservando assim sua personalidade original, e o sempre clima puro e cristalino, em qualquer estação do ano.
A simpática cidade de Zermatt recebe turistas do mundo inteiro, principalmente alpinistas e apaixonados por esportes de inverno, sem falar dos curiosos em geral e daqueles que estão em busca de ar puro e clima de montanha, ou no meu caso, pelo simples prazer de admirar a maravilhosa paisagem do Matterhorn e seus arredores
O teleférico nos leva até o alto da montanha de onde a visão dos Alpes suíços e italianos é de tirar o fôlego!

Fotos tiradas em março de 2011, mas válidas para qualquer época que você queira visitar a Suíça, um país que vale a pena ser conhecido!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Biscoitinhos de Queijo e Polvilho

Não tem jeito, o povo aqui das Minas Gerais não pode passar sem uma "quitanda", como nós chamamos todas estas delícias que nos dão alegria no café da manhã, no café da tarde, no lanche da noite...
Delícias que ficam sempre a postos, à espera de alguma visita, de alguém que apareça pra tomar um café conosco...
Fazem parte desse hall os pães de queijo, as roscas doces ou salgadas, os pães de queijo, biscoitinhos diversos, um agradinho...como estes biscoitos de queijo curado feitos com polvilho que vieram deste blog, que eu acabo de conhecer http://www.leiliane.com.br e indico à vocês, por que só tem coisa boa!


Biscoitinhos de Queijo da Minha Mãe ( da mãe da Leiliane, moradora de Tupaciguara, que deve ser uma cozinheira de mão cheia)

Ingredientes:
3 xícaras de queijo minas meia cura ralado
3 xícaras de polvilho doce (usei metade de polvilho doce e metade de polvilho azedo)
3 colheres de margarina
3 ovos
1 colher de sobremesa de fermento em pó (pó royal)
sal, se necessário
* eu acrescentei 1/4 de xicara de leite

Preparo:
1. Juntar, amassar e sovar com as mãos todos os ingredientes até a mistura ficar homogênea. A massa deve ficar bem macia e desgrudar das mãos.Prove um pouquinho da massa. Como o queijo já é salgadinho, ajuste o sal, se julgar necessário.
2. Coloque o forno para aquecer. Modele os biscoitinhos como quiser, de preferência, usando a medida de meia colher de massa para cada unidade de biscoito. Ele fica menorzinho, mais bonitinho e apresentável, além de assar mais rápido.
3. Leve ao forno, em temperatura alta. Asse até dourar levemente a superfície – geralmente 30 minutos. Não pode deixar escurecer demais, senão fica duro.
4. Retire do forno e sirva.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Uma pena que por aqui não chove!

Tempo de inverno, nada de chuva por aqui...
Queria tanto poder usar uma sombrinha como esta, em forma de alface...hehehe...
Olhem que ideia mais criativa que os japoneses tiveram...
 Quando eu vi, poderia jurar que eram mesmo alfaces...
Você, que como eu adora o universo gastronômico também não estaria torcendo pra chover?

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Salada de Tomate e Abacate...Frugal, mas nem um pouco gourmet

Cheguei em casa na hora do almoço, esbaforida como sempre, procurando algo que pudesse servir de refeição, mas que fosse rápido e que não desse nenhum trabalho, já que eu dispunha de apenas poucos minutos entre preparo e degustação...
Olho na geladeira e nada me inspira mais que um abacate com jeito de maduro e uns tomates, que estavam até bem vermelhinhos e suculentos...
Abacate picado, tomates ao redor, tudo regado com suco de limão, um bom azeite, pimenta do reino moída na hora, que eu não vivo sem, e um toque de Flor de Sal... 
Se você me perguntar, eu digo que camarões, uns bastõezinhos de Kani, ou até umas folhinhas de coentro nessa história não me fariam mal nenhum, mas o fato é que não existia nada além dos tomates e abacates para resolver meu problema...
Refeição frugal, sem nada de gourmet, mas eu digo que comi feliz da minha vida...ah, comi sim!

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Rosca listrada com canela

Essa história de ter um blog é uma delícia, mas um perigo também...
A gente vê as receitas nos amigos e não resite, tem que fazer também!
Em mais um caso de gulodice extrema, copiei, e preparei para minha própria alegria (e do meu filho, que comeu quase a rosca toda), essa maravilha que está lá no sempre delicioso caldeirão da bruxa solar, inclusive com passo a passo para você não perder nenhum detalhe.

Rosca Listrada com Canela 

Ingredientes

Massa:
500g de farinha de trigo (aproximadamente)
2 tabletes de fermento biológico (para pães) 
1/2 xícara (chá) de açúcar refinado
1/3 xícara (chá) de óleo
1 ovo grande
1/2 xícara (chá) de leite morninho (confortável ao toque)

Recheio:
3 colheres (sopa) de açúcar mascavo
1 colher (sobremesa) de canela em pó
15g (1 colher sopa) de manteiga derretida

Preparo

Dissolva o fermento no açúcar até virar uma pasta. Acrescente o óleo, o leite e o ovo. Mexa ligeiramente. Acrescente metade da quantidade da farinha, misturando até virar uma massa. Despeje-a em uma bancada enfarinhada e vá acrescentando o restante dessa farinha aos poucos, até que a massa desgrude das mãos. Sove por mais ou menos uns 10 minutos. Faça uma bola com ela, coloque em um recipiente enfarinhado, cubra com um pano limpo e deixe crescer até dobrar de volume em um local quente e sem vento.

1) enfarinhe a bancada
2) abra a massa utilizando um rolo próprio até a espessura de 0,5 cm. 
3) espalhe na superfície a mistura do açúcar mascavo com a canela e a manteiga
4) enrole cuidadosamente como se fosse um rocambole
5) use uma faca e corte esse rolo ao meio em 2 partes no sentido do comprimento
6) enrole uma parte com a outra, deixando as listras para cima e dê o formato de rosca unindo as duas extremidades 

Coloque em uma fôrma untada e enfarinhada (ou revestida com papel manteiga) e leve para assar em forno preaquecido a 180 graus até a superfície ficar corada.

domingo, 19 de agosto de 2012

Jardim Botânico do Rio de Janeiro...valeu a pena ter ido!

Na minha última visita ao Rio de Janeiro, fiz questão de visitar mais uma vez, e desta vez com um olhar mais atento e mais sensível, esse que é um dos muitos cartões postais dessa linda cidade.

Situado no bairro de mesmo nome, na zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, o Jardim Botânico foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 1937, em razão de sua importância histórica, cultural, científica e paisagística.
Considerada como uma das mais belas e bem preservadas áreas verdes da cidade, com uma grande diversidade de espécies vegetais nativas e estrangeiras, distribuídos em uma área de 54 hectares, ao ar livre e em estufas, em 1991, a UNESCO o definiu como área de Reserva da Biosfera.

Um pouco de história não faz mal à ninguém, então preste atenção:

"Aclimatar as especiarias vindas das Índias Orientais: foi com este objetivo que, em 13 de junho de 1808, foi criado o Jardim de Aclimação por D. João, Príncipe Regente na época, e mais tarde D. João VI.
Com a ameaça da invasão das tropas de Napoleão Bonaparte em Portugal, a nobreza portuguesa mudou-se para o Brasil e instalou a sede do governo no Rio de Janeiro. Entre outros benefícios, a cidade ganhou uma Fábrica de Pólvora, construída no antigo Engenho de Cana de Açúcar de Rodrigo de Freitas.
Encantado com a exuberância da natureza do lugar, aí D. João instalou o Jardim, que em 11 de outubro do mesmo ano, passou a Real Horto. Por um erro histórico acreditava-se que as primeiras plantas tinham sido trazidas do Jardim Gabrielle, de onde vieram muitas plantas, principalmente durante as guerras napoleônicas. Porém o Jardim Gabrielle era nas Guianas e as primeiras plantas que chegaram aqui vieram, na verdade, das ilhas Maurício, do Jardim La Pamplemousse, por Luiz de Abreu Vieira e Silva, que as ofereceu a D. João1. Entre elas, estava a Palma Mater."

Aberto à visitação pública após 1822, o Jardim teve muitos visitantes ilustres: Einstein, a Rainha Elisabeth II do Reino Unido e muitos outros.




O orquidário e o roseiral estão bem maltratados na minha opinião, (talvez por ocasião do inverno), mas mesmo assim valem uma visita




A preservação da fauna também merece atenção especial da administração do Parque


O lago de vitórias régias é uma das atrações do Jardim Botânico

A natureza é exuberante em todos os cantos, os cenários sempre magníficos



Caso se interesse por mais informações, ou queira fazer um tour virtual pelo parque, acesse http://www.jbrj.gov.br, site oficial do JB, e de onde eu tirei as informações.