terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Kouglof...Um presente dos Reis Magos


Chamado de Kouglof, Kougelhofe ou ainda Gugelhupf, em alemão, este misto de bolo e pão, originário da Alsácia, região francesa fronteiriça com a Alemanha, é uma especialidade da culinária típica daquela parte tão linda do país.
Para sua confecção são usadas formas especiais, fabricadas em cerâmica ou cobre, que são verdadeiras jóias de família, passando muitas vezes de geração em geração. 
Conta a lenda que a massa de Kouglof foi elaborado pela primeira vez pelos Reis Magos como uma forma de agradecer a um padeiro local chamado Kugel pela sua hospitalidade, confeccionando então um bolo que tivesse a forma dos seus turbantes.
Verdade ou nem tanto assim, o Kouglof continua sendo servido em todas as confeitarias Alsacianas, geralmente acompanhado por uma taça do vinho local, o Riesling.
Mesmo sem ter à mão uma forma apropriada, foi depois de um evento sobre a Gastronomia e Enologia da Alsácia que eu resolvi arriscar e preparar meu próprio Kouglof.
Não me arrependo, pois eu adorei o resultado!

Foto da internet


Usei a receita que veio deste blog.

Kouglof de Muriel

- 300 gramas de farinha
- 50 gramas de açúcar
- 15 gramas de fermento biológico fresco 
- 120 ml de leite morno
- 3 ovos, levemente batidos
- 1 colher de sopa de rum escuro ou kirsch
- 120 gramas de manteiga , em temperatura ambiente e em cubos , além de uma outra parte para untar a  forma
- Uma boa pitada de sal 
- 35 gramas de amêndoas fatiadas
- 45 gramas de uvas passas, embebidas durante a noite em água morna ou chá e drenadas
- Algumas amêndoas inteiras ou um pouco mais amêndoas fatiadas para a forma 
- Açúcar de confeiteiro para polvilhar

Para uma forma de 22cm

Misture a farinha e o açúcar em uma tigela grande. 
Em uma tigela pequena, misture o fermento fresco com o leite e mexa até amolecer. 
Formar um buraco no recipiente onde está a farinha e despeje a mistura de leite , ovos e rum. 
Misture tudo com uma colher de pau.
Bater a massa vigorosamente por 10 minutos, e depois adicionar a manteiga amolecida em cubos , e continuar a trabalhar com a massa mais 10 minutos ou mais, até que se torne elástica. 
Esteja avisado que a massa é muito pegajosa , se você tem uma batedeira com um gancho de massa , agora seria um bom momento para usá-lo. 
A massa vai ser batida até que não fique mais tão grudenta e sim mais elástica, lisa e macia
Adicione as amêndoas e passas escorridas , e misture novamente (com delicadeza)
Cubra a tigela com um pano de prato e deixe a massa crescer por 30 minutos em um local quente da casa. 
Após a primeira subida da massa, dê um leve "soco" para baixo da massa e sove-a brevemente novamente.
Unte a forma com generosidade. 
Coloque uma amêndoa inteira em cada sulco do molde (ou polvilhe com amêndoas fatiadas). 
Despeje a massa na forma e volte para o lugar quente. 
Deixe a massa crescer até encher a forma, cerca de 1 hora mais.
Pré-aqueça o forno a 180 ° C.
Coloque o kouglof no forno e asse por 45 minutos, até que esteja dourado
Se a parte superior dourar muito rápido, proteja com um pedaço de papel alumínio ou papel manteiga.
Deixe esfriar completamente sobre uma grelha, cerca de 2 horas, antes de desenformar. 
Polvilhe com açúcar de confeiteiro e sirva com geleia, mel ou manteiga. 

18 comentários:

  1. Amigaaaaa, não acredito na coincidência, hoje postei exatamente um bolo contando a lenda do "Gugelhupf", que retirei de um livro de receitas alemão, que incrível !!
    Esse é o espirito do Natal nos unindo em uma mesma sintonia, que maravilha!!
    Beijocass

    ResponderExcluir
  2. Lindo! O fermento biológico confere uma textura e sabor especial à massa desse bolo-pão. Beijos e OBRIGADA!

    ResponderExcluir
  3. Ai amiga voltei, fiquei tão empolgada com a nossa sintonia que nem falei do seu belíssimo e delicioso bolo….que loucura né, parece até que combinamos…kkkk… e você fez com fermento fresco o que o torna mais tradicional, adorei!!
    Querida Renata, com certeza pode rolar sim, estarei no Rio para o Natal e Ano Novo e ficarei até final de fevereiro. Me avisa se estiver pelo Rio, podemos nos encontrar, vou adorar !!
    Beijocasss

    ResponderExcluir
  4. Oi Renata!
    Estou me sentindo em casa; sou de origem alemã, filha de doceira e ainda tenho de herança a forma do bolo... acabei de fazer uma postagem sobre aromas natalinos e chego agora aqui e lógico: a lembrança do bolo saindo do forno está dentro de mim! amei recordar. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Amiga Renata.
    Está dificil visitar os cantinhos que tanto gosto, ainda estou em uma Tempestade e não está fácil me livrar dela.
    Adorei esta receita com o aroma e imagem natalina, dá para sentir até o seu paladar.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Renata, mesmo sem a forma apropriada (queria cair dentro daquela loja de formas!rsrsr) seu Kouglof ficou lindo e com certeza muito saboroso...tbm quero experimentar, já que ouço falar dessa receita há tempos.
    Bj e boa semana!

    ResponderExcluir
  7. Menina Rê, vc e a Marisa hoje acabaram comigo viu? Duas delicias maravilhosas. Cada uma do seu jeito. Ficou lindo. Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso, e sendo repetitiva, como tudo que vc faz.
    A apresentação, a história, o carinho.
    Com a chuva que cai por aqui desde ontem, alagando ruas, só falta um cafezinho para acompanhar este bolo.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Tenho uma receita no livro 200 receitas pão dum kouglof e sempre que olho para ele vou adiando.
    Este ficou tão lindo e acredito que uma delicia.
    Bj

    ResponderExcluir
  10. Bom dia Renata,
    Muito interessante o texto sobre a história do bolo, é uma deliciosa receita amei a aprestação e o delicioso sabor.
    Beijo,
    Vânia

    ResponderExcluir
  11. que delícia de bolo, nunca tinha visto!

    e não te esqueças de participar no passatempo de natal no meu blogue: http://limited-edition-since2012.blogspot.pt/2013/12/passatempo-5-sentidos-com-alecrim-aos.html

    ResponderExcluir
  12. Cheguei ao seu blog e fiquei entusiasmado, pois foi feito com muita graça, e com muito entusiasmo.
    Gostei do que vi e li, e achei um blog fantástico, onde se aprende muito.
    Sou António Batalha, do blog Peregrino E Servo, se me der a honra de o visitar ficarei grato.
    PS. Se desejar faça parte dos meus amigos virtuais,decerto que irei retribuir,
    seguindo e divulgando seu blog.
    Desejo-lhe muita saúde muita paz e grande felicidade, e também um Feliz-Natal.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Pretty woman!

    Já estava com saudades de você, viu? rsrs. Veja como estamos em sintonia, uns dez dias atrás eu já tinha marcado uma receita deste bolo, para fazer neste Natal também, rsrs. O seu ficou lindíssimo e dá a impressão de que foi feito na forma apropriada, como não? rsrs.

    Um beijo e boa tarde, darling

    ResponderExcluir
  14. Oi Renata,
    Não conhecia esse bolo e gostei de saber sua história. Ficou lindo ! A forma que você usou é perfeita. Já deu vontade de ir para a cozinha.
    Bj,
    Lylia

    ResponderExcluir
  15. Renata,
    Já tinha visto o nome deste bolo em vários locais, mas não sabia que era tipo pão, com fermento biológico. Muito legal as informações. Seu bolo deve ter ficado divino, garota!
    Beijo grande, Laura Lucia

    ResponderExcluir
  16. Oi Renata que bolo incrível! Pela beleza e pelo sabor que deve ter…
    Mas tenho muita dificuldade para encontrar formas para bolo com formatos diferentes, onde você as encontra?
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga, as formas diferentes que eu tenho e não são muitas, comprei fora do Brasil, mas creio que nas lojas especializadas em produtos para cozinha ou através da internet você vai encontrá-las facilmente,
      Abraço,
      Renata

      Excluir
  17. Ficou lindo, lindo!!
    Eu também quero ver se faço um este Natal, pois adoro o aspecto e tenho muita curiosidade em provar um!!
    Beijinhos grandes e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo aqui,fique a vontade para deixar seu comentário!